Graveyard Keeper foi desenvolvido pelo estúdio Lazy Bear Games e distribuído pela tinyBuild, lançado no dia 15 de agosto de 2018, para as plataformas PC e XBOX ONE.

Você começa Graveyard Keeper como um homem barbado e confuso cuja morte o transportou dos dias atuais para um mimetismo da Europa medieval. Seu novo papel é como um jardineiro do cemitério local e zelador da igreja. E sua primeira tarefa é encontrar Gerry, que é um crânio flutuante que você desenterra logo atrás de sua casa. Além disso, ele é seu novo melhor amigo.

Desde o início, o jogo faz um ótimo trabalho ao introduzir instruções e tutoriais através de personagens como Gerry. Como o ex-zelador do cemitério, ele fornece conhecimento interno sobre onde você pode pegar os corpos, onde levá-los e como coletar seus órgãos. Para o seu primeiro corpo, Gerry irá instruí-lo a remover pedaços de carne para vender à taverna local por dinheiro – e cerveja – o que realmente define o tom para todo o jogo.

Na verdade, todos os cadáveres no Graveyard Keeper decaem, e quando eles decaem, as coisas ficam ruins em vários níveis. Cada corpo no jogo tem uma classificação do crânio (sinalizada por caveiras brancas, vermelhas ou verdes) e começam 100% frescas assim que são largadas. No entanto, uma vez que atingem o solo, começam a cair em 1% a cada 30 segundos. À medida que a porcentagem de frescor de um cadáver diminui, sua classificação diminui, o que afeta não apenas a carne que você colhe do corpo, mas também a classificação de seu cemitério como um todo. Corpos mal classificados podem levar a pontos negativos no seu cemitério, não importa o quão bem você enfeita os túmulos.

Isso adiciona um elemento de urgência ao ciclo normal de dia / noite e pode levar a muitas decisões antiéticas para poupar algum tempo. Por exemplo, se você está tentando salvar a classificação de seu cemitério, pode despejar cadáveres horrivelmente decadentes e mal classificados no rio, para nunca mais ser visto novamente. Você também pode parar a queda de corpos colocando-os em sepulturas sem enterrá-los, o que também evita o processo de decomposição.

Conforme você avança no jogo e os corpos começam a se acumular, você vai encontrar esquinas ou cadáveres interligados sem os devidos enterros para que você possa passar tranquilamente o seu dia, o que, na minha opinião, adiciona um charme divertidamente mórbido a todo o sistema.

Esses truques também ajudam a aliviar algumas das áreas do jogo que eu achei frustrantes – como o quão rápido os dias são e com que facilidade você gasta energia. O tempo no Graveyard Keeper passa muito rapidamente. No entanto, você não é forçado a dormir, então você poderia ficar para sempre, ou pelo menos até sua saúde ou energia acabar. Felizmente, cozinhar e consumir sua própria comida por energia é realmente fácil. Você pode começar a fazer sua própria comida assim que começar a procurar ou cultivar.

Os dias curtos também são um problema ao tentar executar tarefas, já que determinados usuários estão apenas em áreas específicas em dias definidos. Enquanto a semana avança rápido o suficiente para que não seja tão ruim quando você sente falta deles, os dias curtos podem causar um problema quando você é novo no mapa. Por exemplo, tentar caminhar da sua casa até a vila e até o farol pode consumir meio dia ou mais.

Ainda assim, embora eu deseje que fosse mais fácil conservar energia e que os dias fossem um pouco mais longos, à medida que você avança no jogo, essas coisas tornam-se menos desafiadoras. Você cria ferramentas que operam com 100% de eficiência, em vez de 50%, o que significa que você não está perdendo muita energia ao coletar materiais. Você também começará a estocar alimentos para não precisar dormir tanto para reabastecer a energia, o que significa que você pode fazer mais.

Outro aspecto interessante do jogo é as árvores de tecnologia. Aparentemente direto, as tecnologias no Graveyard Keeper funcionam basicamente como árvores de habilidades. Eles são divididos em seis categorias, da Teologia à Metalurgia, e podem ser desbloqueados usando pontos que você acumula ao realizar o trabalho. Existem três pontos no total, todos de cores diferentes.

Os Pontos Vermelhos representam suas habilidades de artesanato e capacidade de trabalhar com materiais. Você obtém isso através da elaboração de suas bancadas de trabalho ou da quebra de pedras. Os Pontos Verdes representam seu conhecimento sobre a natureza das coisas e a própria natureza. Esses pontos são os mais abundantes, e você pode obtê-los escavando arbustos mortos, plantando colheitas e etc.

Por fim, os Pontos Azuis representam seu conhecimento espiritual do mundo imaterial – então qualquer coisa que você “pesquise” ou “estude” no jogo lhe garante mais pontos azuis. Esses pontos são provavelmente os mais confusos, já que você não consegue obtê-los até completar uma das primeiras grandes tarefas do jogo, abrindo a igreja.

E embora eu tenha gostado da forma como as árvores tecnológicas foram colocadas no jogo, admito que era um pouco incerto que certas tecnologias iriam atendê-lo melhor do que outras quando você começar. O jogo não se importa com o que você escolhe desde que você tenha pontos, então você pode gastar todos eles em Teologia ou dissecar cadáveres antes de perceber que essas habilidades não vão te ajudar tanto quanto o artesanato em madeira. Felizmente, mesmo que você acabe colocando seus pontos em tecnologias que não são úteis no momento, é muito fácil conseguir mais.

Por último, embora possa ser assustador no início, o tamanho do mapa no Graveyard Keeper é um dos seus melhores recursos. Além da sua casa, fazenda e do cemitério, há a Witch Hill, a Village, o Lighthouse, o The Wheat Field, a The Beach e muito mais. Cada área tem seu próprio conjunto de NPCs para você se envolver, bem como partes da história maior que podem levar a novas tarefas, novas responsabilidades e ainda mais áreas. Outra coisa que chama a atenção logo de cara são os gráficos 2D, que são um espetáculo artistico. Graveyard Keeper definitivamente é um jogo que vale a pena se conferir.


PRÓS

+ Você pode criar, decorar, influenciar, negociar, planejar, explorar…

+ É um conceito interessante e diferente.

+ Fator replay é imenso.

+ Tutoriais extremamente intuitivos.

+ As questões morais também são refrescantes e desafiadoras.

+ A arte é espetacular e muito bem polida.

+ Algumas animações são muito bem feitas.


CONTRAS

– É ambicioso demais para ser facilmente captado pelo público em geral.

– Criação de itens pode muitas vezes ser algo complicado e demorado.


NOTA FINAL: 9.7 / 10.0

Analisado pela STEAM com código de jogo fornecido pela tinyBuild.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s