Maneater-imagem-5O fundo do mar é cheio de mistérios, mesmo nos dias de hoje, e é um local que intriga muitos há um bom tempo,  e para esses, a solução chegou na pele de um dos mais famosos predadores dos oceanos. Desenvolvido pela Tripwire Interactive com a Blindside Interactive, e distribuído pela própria Tripwire junto a Deep Silver, Maneater é um Action Role Playing Game, ou um shARkPG, como o mesmo se intitula.

A premissa é simples, o jogador tomará o papel de um Tubarão, mais especificamente o Tubarão-Cabeça-Chata (ou Tubarão-Touro), e deverá evoluir até chegar ao seu potencial máximo. Essa evolução, claro, é feita através de muita caça, tanto de outros animais como de banhistas e caçadores , batalhas e descobertas pelos lagos e mares.

O título adota uma narrativa interessante, tudo é apresentado como se fosse um grande documentário, com direito a narrações em tempo real das nossas atividades, hábitos e crescimento, esta feita pelo ator Chris Parnell. Inicialmente o “documentário” nos apresenta à Scaly Pete, o auto proclamado Master Shark Hunter, que está atrás de uma grande caça, e é ai que o jogador inicia o seu “tutorial”. Com um tubarão já adulto e desenvolvido, os comandos são apresentados e o potencial destrutivo do animal fica evidente, mas por fim, este é capturado e tem suas entranhas expostas pelo caçador, que ao descobrir que ali se encontrava um filhote, marca este com um facão para uma futura caça e o joga novamente em um lago, não sem antes perder um de seus braços para o recém nascido raivoso, este que será a estrela do show.

Maneater-imagem-2Para crescer e vingar sua mãe, muita caça e tarefas estão no aguardo nas 7 áreas do jogo, cada uma com seu ecossistema e colecionáveis próprios. As tarefas são bem variadas, entre elas estão caçar outros predadores, destruir barcos e matar humanos. Para avançar entre as áreas é necessário que se derrote seus predadores supremos, cada um apresentando um estilo único, fazendo com que a adaptação seja obrigatória.

Como se trata de um RPG, a progressão de habilidades se dá através de XP, mas esta não é cansativa nem depende de grinding, já que há muitas tarefas e tesouros que vão prover ótimos boosts. As habilidades desbloqueáveis lhe ajudarão tanto na sobrevivência, como passar mais tempo fora da água, como na caça, com um sonar melhorado. Mutações também farão parte do acervo conforme o jogador se torna mais “infame” entre os caçadores, melhorando o ataque, defesa, entre outros. Importante notar que as habilidades são intercaláveis, então é possível evoluir de formas únicas que se apliquem ao estilo do jogador.

Maneater-imagem-1É incrível ver o cuidado que os desenvolvedores tiveram em não apenas apresentar um jogo de tubarão assassino, mas em entregar uma experiência completa sobre este universo. Fica evidente todo o estudo e embasamento por trás do desenvolvimento do jogo, que conta com diversas curiosidades para os jogadores aumentarem seu conhecimento. O Tubarão-Cabeça-Chata pode nadar em ambas águas salgada e doce, sendo a escolha perfeita para desenvolver um jogo com ambientes diversos.

Maneater-imagem-6O ambientação da superfície é ótima, com paisagens de cidades, praias e pântanos nos arredores muito bem feitas, mas é submergindo que tudo fica exuberante. As cores vibrantes do fundo do mar e suas luzes naturais criam passagens de tirar o fôlego, é tudo belo e chamativo, realçando os segredos subaquáticos. Já em águas turvas, como no pântano inicial, o fundo é cheio de lixo e entulhos, representando a população que ali vive, inclusive carros são encontrados nestes locais, e tudo combina para que o jogador fique atento à ataques de jacarés, que podem ser mortais.

É bom ressaltar o desenvolvimento dos personagens secundários, principalmente o seu antagonista Scaly Pete. Os caçadores possuem estilo e personalidade individual e não estão lá apenas para serem devorados.

Maneater-imagem-3Infelizmente um problema que não pode ser evitado está nos controles, apesar de que quando tudo estiver calmo, estes não serão problema, mas ao entrar em combate as coisas podem se complicar um pouco. Os analógicos são utilizados para direcionar o animal, tanto em movimentação quanto em visão, porém isso acaba dificultando um pouco algumas batalhas com inimigos muito rápidos, fazendo com que estes se percam no campo de visão. Ao pressionar o L3 a visão será direcionada ao alvo “mais importante”, mas apenas isso, não marcando como target ou travando a mira, o que já solucionaria todo o problema aqui.

Sendo um RPG, atividades de ida e vinda serão comuns, novas áreas secretas serão desbloqueadas conforme se evolui, assim como mais sidequests serão liberadas.

Maneater foi uma enorme surpresa e merece ser contemplado, tudo transpira a esforço e aplicação, isto para apresentar uma experiência divertida e desafiadora, sendo até mesmo didática, não se valendo apenas de matança genérica e sangrenta para chamar atenção, mas entregando um título completo e que pode ser desfrutado por horas, para todo tipo de jogador. Ponha seus dentes elétricos e vá à caça!

Maneater-imagem-4


PRÓS

+ Ótimos gráficos e modelagem dos personagens (Humanos e animais)

+ Ambientação exuberante

+ Formato narrativo em documentário é muito interessante e diferente

+ Elementos RPG muito bem aplicados, são diversas formas de evolução

+ Grande numero de tarefas diversificadas para ajudar na progressão

+ Forma de ensino didática, tanto sobre tubarões, como sobre a vida marinha


CONTRAS

– Comandos na hora do combate precisam de uma função “Lock”


NOTA FINAL: 8,5 / 10

Código fornecido pela Deep Silver e testado no PS4.

Anúncios

Deixe uma resposta